• Eber Urzeda Dos Santos

Trevas do Eu: A vida espelhada de Áivil




A vida espelhada de Áivil


O arco da personagem

A pequena Áivil sentou-se à sombra de uma palmeira à margem do açude da cidade. Aquela seria sua última tarde em Ibirajuba, Pernambuco. Ela apanhou duas pedras no chão e pensou em atirá-las na água. Desistiu: a água era o bem supremo, motivo de tanto adeus e tristeza. Muito jovem para deliberar a própria vida, viu-se obrigada a partir, levando consigo apenas a esperança da felicidade utópica e a angústia de não poder ser, por força maior, fiel aos próprios desejos.

Uma parte de si, porém, relutava em deixar a cidade. Talvez por medo dos donos das águas e das terras: exploradores da sede, da fome e do dízimo. Ela se levantou e guardou as pedras no bolso esquerdo do seu jeans: com o sonho de que estas se transformassem em alianças, quando ela, ainda angustiada, embora por razão contrária, voltasse a tocá-las com o anelar da mão esquerda, numa tentativa de realinhar os sonhos da menina à realidade da mulher.

Com a trégua do sol, abandonou as calçadas e caminhou pelo meio da rua sem se preocupar com o trânsito. Chegou à Praça Agamenon Magalhães e parou em frente à Igreja Santo Izídio. Reparou nas muretas dos canteiros da praça pintadas em verde-amarelo e logo passeou o olhar pelas paredes da igreja. Das três portas, apenas a do meio estava aberta. Uma linda mulher a trajar um pomposo vestido de noiva deixava as dependências da igreja para ganhar o mundo. Não havia padre nem coroinhas, tampouco os convidados para a chuva de arroz; não havia padrinhos, damas de honra nem pajens. O noivo também não foi convidado. Áivil sorriu e pôs a mão esquerda no bolso esquerdo de seu jeans: lá estavam o anel de noivado e a noiva à espera de um milagre.

Ela continuou a zombar da vida prática e girou em passos duplos pela praça como num passo de valsa. Após algumas pestanejadas, viu um rapaz se aproximar sorridente.

— De que ris? — perguntou ela impaciente.

— Não estou rindo, menina! Não vê a diferença? Não é um riso, é um sorriso, visto que não é cômico, senão apaixonado.

Áivil pensou em dar um nome ao menino, mas ponderou: "melhor não, melhor me calo, melhor danço". Resolveu deixá-lo no esquecimento como havia feito com a noiva e pôs-se a rodopiar sua valsa triste, e rir de seus sonhos românticos, e sorrir para a finitude do tempo que ainda lhe restava. Já cansada, sentiu seus pés doerem em seus sapatinhos novos. Retirou a mão do bolso e secou a única lágrima que rolava naquela tarde de despedidas. Ao voltar para casa, Áivil parou na esquina da Rua Professor Alencar com a Emídio José de Melo e contemplou a entrada da escola. Escorado nas grades do portão fechado, o menino da praça voltou a surgir. Mas desta vez, sem o sorriso apaixonado. Ele apenas acenou (numa atitude pueril), fechou os olhos, esfumaçou-se e foi ter com as nuvens.

Chegou a casa e olhou por cima do murinho de tijolos à vista. Ao lado da parede, algumas plantinhas entediadas lamentavam a pouca sombra e a ausência do deus da chuva. A porta da sala estava aberta. Ela observou as caixas de mudança espalhadas pela casa. O olhar de seu pai estava distante e o de sua mãe irradiante: tamanho o poder de dissimulação do verdadeiro sentimento em nome do bem-estar familiar. Seu irmãozinho brincava feliz com o cãozinho que teria de ficar. Áivil foi ao quarto dela buscar lembranças, mas nada viu, exceto um colchão estirado para a última noite: "que seja também o último pesadelo", desejou ela.

Deitada em companhia do luar e das estrelas a invadir seu quarto através da janela desprovida de cortinas, lembrou-se das duas pedras em seu jeans. Buscou-as. Tendo à mão um prego que encontrara próximo ao seu colchão de palhinha, rabiscou alguma coisa nelas e deixou-as no canto, entre a parede e o travesseiro. Ela olhou para o teto escuro do quarto e deixou-se levar pela imaginação: e o teto encheu-se de estrelas. Logo, seus olhos pesados — por sua vida pesada — trouxeram-lhe suaves pesadelos.

Pela manhã, pouco antes de partir, enterrou uma das pedras no quintal. Olhou para a cova e desejou ter uma flor para enfeitar a cripta de sua pedra sagrada. Pôs-se a caminhar devagar. Quis olhar pela última vez para a cova rasa e triste, mas já estava decidida a não recuar ante nenhum afeto: pois ela sabia (apoiada em suas leituras sob a gameleira do quintal) que o mundo tentaria persuadi-la.

Ela respirou fundo, encheu os pulmões de ar e coragem e seguiu em frente. Levou consigo apenas uma pedra simbólica, para, quando necessário, poder ampliar sua consciência, aumentando a visão sobre si mesma e sobre o mundo, sempre que pensasse nas duas pedras: a do passado, enterrada, e a do futuro, em seu bolso esquerdo. Dessa forma, ela poderia desatar os nós de energia presos em algum lugar de sua juventude que pudesse impedi-la, de certo modo, de ver a vida com a altivez dos olhos adultos, de aceitar o novo e o diferente, ademais de corrigir os descaminhos que a fizessem perder a razão de ser e a capacidade de orientar-se na vida adulta e sombria: "talvez na simbologia das pedras separadas, eu possa encontrar o conforto necessário, quando o resgate de minha memória afetiva seja meu último suspiro de prazer!", pensou Áivil e partiu.

***

Domingo de sol em Recife. Áivil pisou na areia quente da Praia de Boa Viagem e dois afetos conflitivos invadiram o seu ser: o encanto com a imensidão do mar, e o desencanto com a correria das pessoas a negar-lhe um bom-dia, uma boa-tarde ou qualquer cumprimento respeitoso e rotineiro.

— Bom dia, senhora! — disse Áivil.

— Bom dia, mocinha! — ela própria respondeu irônica, ao passar por uma senhora de chapéu e luvas de veludo.

Ela não se entregou. Manteve o sorriso e as considerações ao próximo angariadas no berço e nos passeios pelas ruazinhas de Ibirajuba. À medida que crescia, mal notava seu distanciamento social e a mudança de seu corpo. A fúria dos desejos e o aumento das angústias iam enfraquecendo a velha menina — a dançar sozinha na praça — e fortalecendo a nova mulher, afeita aos moldes da gente de chapéu da cidade grande.

Ainda adolescente, sentia imensa vontade em transcender, ir além do que lhe era permitido para conquistar o mundo. Mas via a figura paterna nos garotos que se aproximavam com ares machistas: isso a atraía. Aos românticos, gentilmente, oferecia-lhes apenas amizade. Este era seu pensamento torto: desejava liberdade, mas se entregava à proteção dos fortes.

Pouco tempo depois, em um novo salto com a família, viu-se em São Paulo. Cidade de extremos e de gente ainda mais distante de sua realidade e consciência. Imaginava-se em um grande formigueiro, cuja vida não tinha outro sentido, senão o de formigar e proteger a rainha.

Sua família não tardou em retornar a Recife. Desse modo, apresentou-se a chance de deliberar a própria vida pela primeira vez. Áivil sentiu a presença da angústia das escolhas, mas resolveu ficar: obedecendo aos anseios aventureiros de uma moça, até então forte, que acabara de experimentar o gozo da vida adulta e o peso das próprias decisões.

Namorou, casou-se, teve dois filhos, mas só depois conheceu seu marido. Antes, o tinha como uma personagem principal e maravilhosa, um herói perfeito, restando a si o papel de antagonista, uma vilã que vivia pelas sombras, sem identidade e capaz de atos atrozes. Porém, ao fim da história, o arco das personagens se completou: e o belo tornou-se feio. As atrocidades dele, maquiadas à benevolência, feriu todas as outras personagens: primárias e secundárias, além de alguns figurantes.

Foram tempos difíceis: seu nome era outro, seu passado era outro, outra se tornou. Tomada de afetos, entre a dor de não se reconhecer diante o espelho e o medo voraz causado pela solidão, quis reconquistar o tempo perdido. E voltou a dançar pela casa, mas ao som de si mesma, para não acordar as crianças.

Provou sorrir ao espelho, mas ainda não pôde ver a pequena Áivil. Ousou libertar-se uma noite: encarou o espelho, vestido colado ao corpo de exuberantes linhas, grandes olhos castanhos enfeitados por cílios e sobrancelhas delineadas à perfeição das figuras geométricas; lábios vermelhos pulsantes, convidativos ao beijo de amor eterno; cabelos soltos sobre os ombros alvos e desnudos, e saiu a bailar com a gente do enorme formigueiro.

Tardou dois longos anos em libertar-se do novo-velho herói daquela noite. Foi preciso desconstruir outra personagem: ainda mais déspota que a primeira, cuja tirania quase apagou de vez o pouco reflexo identitário que ainda lhe restava. Foram muitas noites sem dormir, até que ouviu um soluço de pesar, e a voz de seus filhos chamando-a de mãe como se fosse a primeira vez. Então uma lágrima encontrou o seu raro sorriso que há muito não se via. Lembrou-se do olhar irradiante de sua mãe, meio ao desgosto de deixar sua terra natal e foi tomada por uma força descomunal. Pegou os seus filhos no colo e dormiram todos abraçados em uma só cama.

Ela despertou cheia de vida. Foi ao banheiro, olhou-se no espelho, mas não ficou feliz com o que viu. Foi ao quarto, fez as malas, abriu um pequeno baú, retirou um objeto e colocou-o na bolsa. Sem perder tempo, acordou as crianças.

— Venham, temos de viajar! Não precisam ir para a aula hoje. Viajaremos agora, mas na segunda-feira estaremos de volta.

Antes que seus filhos perguntarem para onde, ela adiantou a resposta:

— Vamos à Ibirajuba, minha terra natal. Preciso recuperar algo.

Após algumas horas de voo, chegaram a Recife. Ela alugou um carro, e eles foram direto para o interior. Chegaram à Ibirajuba ao cair da tarde. Seus filhos acompanharam a viagem fantasiados com a magia das paisagens de Pernambuco, sentiram-se em casa. Áivil desceu do carro e pediu a seus filhos que a esperassem por um momento. Parou em frente ao portão de sua antiga casa e bateu palmas. Uma bela jovem surgiu como surgem os reflexos, e as duas conversaram por alguns minutos. As crianças observavam a mãe apoiada no portãozinho quebrado: ela parecia falar sozinha.

Áivil entrou sorridente a convite da mocinha, deu a volta na casa e foi direto ao quintal. Pediu à atual moradora permissão para cavar e de pronto foi atendida. Depois de fazer alguns buracos, encontrou o que buscava: enrolada em um lenço decomposto pelo tempo, havia uma pedra, a mesma que enterrara no dia em que deixou para trás sua querida cidade. Ela levou a mão à bolsa e retirou a outra pedra que trazia consigo. Eufórica, virou-se para agradecer à jovem da casa. Não a viu. Levantou-se do chão e entrou pela porta dos fundos para agradecer à menina. Ao passar pelo banheiro, viu um espelho oval envolvido por uma moldura de madeira um pouco desbotada. Ela ficou curiosa em saber como estaria seu aspecto depois de voltar a juntar as duas pedras. Pôs-se de frente ao espelho e ficou a observar. Não viu seu próprio rosto, apenas um reflexo distorcido de si mesma.

— O que procura? — perguntou a jovem da casa abandonada.

Áivil assustou-se e virou-se rapidamente. Olhou para os olhos da jovem e sentiu familiaridade naquele olhar distante e triste:

— Como você se chama? — perguntou Áivil.

— Lívia, minha senhora! — respondeu a moça com voz amistosa!

Depois de ouvir o nome da menina, viu passar várias cenas de sua vida em sua mente: dos dias atuais até o dia em que deixou Ibirajuba. Áivil, então, pegou as duas pedras e as pôs na mão da jovem da casa e disse com ternura:

— Vai ficar tudo bem, Lívia, você pode vir comigo agora. Já não estás sozinha, já não estamos sozinhas, você tem a mim e eu a você.

Lívia abriu a mão devagar e reparou nos nomes gravados nas pedras: em uma "Lívia" e na outra, como numa escrita espelhada "Áivil". Ela sorriu e fechou os olhos, ao abri-los se viu dentro do espelho. À sua frente, observava-a uma mulher linda, de olhos cheios d'água, mas de sorriso largo a esbanjar felicidade.

A nova Lívia deixou a casa pela primeira vez como adulta. Ficou espantada em conhecer (reconhecer) seus filhos que a esperavam inquietos. Antes de entrar no carro, beijou cada um como se fosse o primeiro beijo pós-parto. Sentou-se, ajeitou o espelho retrovisor e contemplou a si mesma. Ela alegrou-se com o que viu e amou a ideia de não mais viver sua vida espelhada. Senhora de si, sorriu apaixonada e disse baixinho:

— Seja bem-vinda ao nosso mundo, Lívia, recomecemos!

Fim!


Eber Urzeda dos Santos

Roßtal - Alemanha

22/12/2020



Confira este conto e muito mais no livro Trevas do Eu: vinte contos, um ensaio e uma novela, no site da amazon, versões capa comum e digital. Peça já o seu aqui!


Direitos autorais © 2021 Eber Urzeda dos Santos


Todos os direitos reservados

Os personagens e eventos retratados neste livro são fictícios. Qualquer semelhança com pessoas reais, vivas ou falecidas, é coincidência e não é intencional por parte do autor.

Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou armazenada em um sistema de recuperação, ou transmitida de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação ou outro, sem a permissão expressa por escrito do autor.


www.contosdeurzeda.com

www.eberurzedadossantos.com

eber.urzeda@gmail.com


ISBN: 9798481815527


Design da capa por: Eber Urzeda dos Santos

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo