• Eber Urzeda Dos Santos

Trevas do Eu: Malmequer





Malmequer

O jardim-culposo

A golpes carinhosos de machado, Mariana preparou o corpo do Monstro-Aranha. Comprou, a peso de ouro, Rosas negras e Oliveiras com troncos anômalos. Delimitou o jardim com Marcos sombrios e revestiu-os com togas imundas. Eram como imensos espantalhos com os risos a falsear a alegria por dentro, e o pavor a cobrir-lhes os calcanhares por fora. Cheia de esperança e orgulho, maquiou-se para a cerimônia. De todos os medos possíveis, temia apenas o de não terminar, em vida, seu jardim de margaridas: bem-me-quer, malmequer.

Fizeram-na tomar o licor das cinderelas. Da noite das princesas, lembra-se pouco: alguns flashes, relâmpagos de álcool e substâncias finas, nada mais. Despertou-se banhada a sangue e à essência aracnídea. Ao ver seu sapatinho de cristal em pedaços... gritou. Taparam-na a boca. Tudo isso levaram-na, por viés da justiça e do bom sono, a preparar o terreno do seu jardim, usando, perdoem-na, terra virgem e excrementos humanos, colhidos durante o seu julgamento, em que a acusaram de ter nascido... sim, de ter nascido... terrivelmente mulher.

Depois do apedrejamento, o quarteto fantástico tratou de decorar as suas falas. Anti-heróis também atuam. Eis a estrutura do romance diabólico, ato I: quatro homens acusam-na, bruxa. Do inferno, o gerente de departamento assiste ao espetáculo surpreso: "quanto profissionalismo!". Pura poesia macabra. Recitam versos, antes combinados, sobre a reputação e o corpo da moça. Ato II: embora a lágrima pungente, ela não se afeta pelo julgamento externo a si. Mariana é forte, Mariana é mulher. Decide fazer os seus próprios julgamentos (justiça), tecer suas próprias opiniões (justiça) e cultivar os seus próprios valores (justiça). Pelo menos os que estão sob o seu controle, segundo a dicotomia estoica.

Ela faz a distinção — julgam-me (não é o meu encargo), julgo-me (Opa! "up to me") — como um alerta a si mesma: não pode ser intimidada por um vírus, um câncer ou um estupro, nem pelo primeiro, privado, nem pelo segundo, coletivo, durante a cerimônia da Ordem dos Canibais. Ela sabe, ela cala, ela chora, ela espera... conhece-os bem: "gente que troca moedas!". Ato III: junte todas as cenas de terror já existentes, acrescente Mariana e um machado, não o de Assis. A literatura, às vezes, é macabra: ela sabe o que fizeram no verão passado. Agora imagine todo o mal do mundo como adubo, um jardim construído a golpes carinhosos e a sua inauguração como um convite à liberdade feminina.

***

Mariana levanta a cabeça, olha-os de frente, eles se viram, viram-se. O medo, antes dela, submerge-se impávido: ela é toda coragem, já não pode morrer. De repente, ela sente fome. Olha-os de frente, eles se engasgam, engasgam-se. O medo, agora o deles, emerge diante de um país inteiro: acovardam-se todos. Eles a olham: Mariana tem o mesmo olhar reprovador de suas mães, de nojo de suas filhas, e perturbado de suas esposas. Elas, indignadas, os veem, com o desconforto de quem lhes feriu o ventre.

Mariana age, seu machado é ágil, gentil. Eles já não a olham, porque olhos já não os têm. Culpá-la? Não há provas. Ela está sob o efeito das cinderelas. Todos sabem: não se culpa cinderelas: elas lavam, passam, cozinham e desejam tão só um sapatinho de cristal ou um machado, que seja o de Assis, minimamente a cortar-lhes a carne e a alma: "olhos de cigana oblíqua e dissimulada." Não! Não a julguem pelos olhos de Bentinho: já o fizeram!

Ela, desde que nasceu, aprendeu aos poucos a morrer. Ainda que tentassem convencê-la do contrário, ela sabia: "a vida é bela, mas há fome, melhor comer agora e morrer mais tarde". Eis o porquê do projeto de seu jardim de margaridas: há que se livrar do lixo acumulado em vida. Homens, nem todos, dirão que o jardim mais parece um cemitério. Não os culpem, pobres, arrancaram-lhe os olhos com o machado. Mas lembrem-se: Mariana nasceu mulher, como todas as Marias e Anas, incrivelmente mulher. Mariana sabe, Mariana repete: há de se livrar do lixo acumulado em vida.

Mariana viu uma senhorinha passando pela rua. A velha senhora contemplava o jardim maravilhada e via-se nele colhendo margaridas. A senhorinha sorriu-lhe, gritou-lhe:

— Tenho adubo em casa, são restos de marido violento, perfeito para malmequeres.

Mariana sabe, todos sabem: é preciso adubar a terra; é preciso — mesmo que com ossos e vísceras — dar suporte às plantas aéreas. Mariana sorriu-lhe de volta:

— Traga-o, quanto mais adubo, mais fortes as flores ficarão. Além disso, minha querida senhora: há de se livrar do lixo acumulado em vida!

Chegou o dia, ele sempre chega. Mariana contemplou a arte de seus belos vasos ornamentais, feitos de ossos ainda frescos, mas com a certeza de que logo estariam calcificados. E repetia: "malmequer odeia frescura óssea". Cuidava de seu jardim com tédio: via ervas-daninhas saírem pelos orifícios craniais de seus vasos e se irritava com isso. Plantava margaridas, mas só nascia mato. Triste realidade, dizia ela à caveira do Monstro-Aranha: "Se malmequeres por isso, sinto muito, não tive intenção, perdoe-me!

Dito isso, Mariana, com seu vestidinho preto-luto, ainda banhado a restos aracnídeos, levantou seu machado a fazer sombra nos olhos e contemplou a beleza da placa na porta de entrada de seu novo empreendimento. Observou a multidão na rua, sentiu a fortaleza de não mais ser sozinha e deu início à cerimônia que inaugurou a consciência de liberdade nas mulheres:

— Venham, meninas! Entrem! Sejam bem-vindas ao fantástico mundo do Jardim-Culposo!!!

Fim!


Eber Urzeda dos Santos

05/11/2020


Confira este conto e muito mais no livro Trevas do Eu: vinte contos, um ensaio e uma novela, no site da amazon, versões capa comum e digital. Peça já o seu aqui!


Direitos autorais © 2021 Eber Urzeda dos Santos


Todos os direitos reservados


Os personagens e eventos retratados neste livro são fictícios. Qualquer semelhança com pessoas reais, vivas ou falecidas, é coincidência e não é intencional por parte do autor.

Nenhuma parte deste livro pode ser reproduzida ou armazenada em um sistema de recuperação, ou transmitida de qualquer forma ou por qualquer meio, eletrônico, mecânico, fotocópia, gravação ou outro, sem a permissão expressa por escrito do autor.


www.contosdeurzeda.com

www.eberurzedadossantos.com

eber.urzeda@gmail.com


ISBN: 9798481815527


Design da capa por: Eber Urzeda dos Santos


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo